domingo, 12 de junho de 2016

CASTELO DE AREIA


CASTELO DE AREIA

Construí um castelo de sonhos
bem pertinho de onde principia o seu nome,
na mesma praia onde ela me esperava
sentada na pedra à beira do cais,
ansiosa para a gente se amar.
Um jardim onde morava a flor mais bela,
inspiração do meu canto em poesia
pelo amor eterno que prometia.
O castelo de areia, tão sólido como imaginei,
escorreu entre minhas mãos, de repente,
quando tentei segurar junto ao meu peito,
mas o abraço inseguro, ferido e sem jeito,
não impediu se esvaísse a morada do nosso amor.

FELIZ POR AMAR


 
FELIZ POR AMAR

Feliz quem ama,
e mantém acesa essa chama,
para iluminar o tempo sombrio
e aquecer o peito no frio.
Mesmo que o objeto do desejo
esteja em outro lugar no mundo,
longe do alcance da mão,
e impossível de alcançar com a visão,
continua a carregar esse amor
no enredo dos pensamentos,
ao aconchego do leito
para mantê-lo sempre vivo
morando no coração.

terça-feira, 26 de abril de 2016

O AMOR NÃO MORRE





O AMOR NÃO MORRE

O verdadeiro amor não morre.
Às vezes, por um motivo qualquer,
fica bem guardado num compartimento especial,
resquício de uma lembrança boa e bela,
como se fosse uma sementinha, o início.
Só deixa de ficar mostrando- se para o mundo
como uma linda flor, cheia de vida e orgulho.
Às vezes, faz a gente sonhar, como gestante,
e faz o rosto iluminar com um sorriso muito feliz.
É certo que não morre. Resiste ao inverno
e pode florescer para enfeitar outras primaveras.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

A OUTRA PARTE DA MAÇÃ






A OUTRA PARTE DA MAÇÃ
Quando lhe vi pela primeira vez,
logo adivinhei o que estava por vir:
atacou-me uma comichão,
delicioso frenesi,
um frisson, querer demais.
Eu descobri, sabe o que?
Apaixonei-me por você.
Ah Linda menina!
Tenra e doce como a fruta,
cujo mel alimenta o meu desejo.
Mesmo quando não acontece
o encontro com a carne que me apetece,
eu sei que sempre vou amar
e só me complemento,
quando posso juntar
o que você guarda contigo:
a outra parte da minha maçã.

domingo, 24 de janeiro de 2016

PINTURA A DEDO



PINTURA A DEDO

Hoje eu peguei uma fotografia
e fiquei admirando o meu amor.
Uma menina cismadinha,
ciumenta que ela só.
Delineie com a ponta do indicador
cada traço do seu corpo tão querido.
Tapei os olhinhos desconfiados
e os lábios inquisidores.
Com muito carinho desenhei
um coração entre os seios.
Depois acompanhei as curvas
sinuosas até abaixo da cintura.
Desci pelas coxas bem torneadas,
até os pés delicados
e subi de volta, até encontrar
a bela flor do seu corpo.

IMAGINE



IMAGINE

Imagine se tudo acontecesse assim
como é tão fácil imaginar.
Imagine se fosse tão fácil esquecer um amor,
imaginar que não existiu, que não aconteceu.
Imagine se fosse tão fácil apagar como se faz com grafite
as marcas que ficam na memória, lembranças felizes.
Imagine se fosse tão fácil como os efeitos da magia:
a  palavra mágica transforma  a realidade.
Imagine que é tão fácil imaginar
e imagine, para o bem viver,
muitas outras formas de amar a quem, imagine!
Nem imagina viver sem te amar.

domingo, 6 de dezembro de 2015

MY LITTLE SILLY


MY LITTLE SILLY
You’re like a little bird
that every day
comes to my window,
then, paints my morning
with watercolor,
white clouds and
a blue and infinite sky.
Always sings for me
a beautiful song
and makes me
feel good,
very, very happy
and full of love
for you.

ABSTRATO


ABSTRATO

A gente precisa de carinho
para adoçar um pouquinho a vida.
Necessita saber que tem alguém
que pensa na gente com amor.
O distante pode parecer tão perto,
obra da inexplicável natureza,
que, às vezes,  parece tão injusta
por nos fazer  ficar no limite
entre o instinto, instigante, intrigante, atraente
e  a razão insossa, insípida, deprimente;
que só no descuido  permite acontecerem os desejos
que ficam vagando pelos pensamentos
e se  realizam nos sonhos.
A gente sente, às vezes, necessidade
de sentir o gosto, o cheiro;
vontade de sentir o calor do roçar pele com pele
de olhar através da janela dos olhos
e ouvir sussurros de amor
sob um cobertor de estrelas
e procurar encontrar sentido
nessa trama , nesse drama,
apesar do prazer que dá pensar
que é a outra parte de alguém
e se deixar levar pelo poder ilimitado
que a imaginação permite realizar.
O parceiro presente, às vezes, é só estímulo tátil
para impulsionar a excitação
e o aumento da tensão,
que nasce e morre dentro de cada um,
porque o clímax do prazer,
é individual, único,
solitário.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

SOBRE O MEU AMOR


 
SOBRE O MEU AMOR

Poderia mostrar de várias maneiras ou
Ainda usar para esse terno fim
Rosas ou outras flores a sua feição.
Assim, à mulher que me enche de inspiração
Dizer meu amor de muitas formas:
I Love you ou je t’aime e muito mais.
Zênite dos meus desejos
E plenitude de intensa satisfação,
Regozijo-me em pensamento feliz
Que de sua parte também é assim.
Uma forma melodiosa, se eu quiser,
E também muito sensual é aloha wau ia ‘oe.
Te quiero também pode ser.
Existem muitos meios de demonstrar
A ela, em quem senti o desejo de cumplicidade,
Meu complemento como yin-yang,
Ou, como dizem as letras iniciais de cada verso.

SAUDADE DAS NOITES DE VERÃO


 

SAUDADE DAS NOITES DE VERÃO
As estrelas e os grilos em conluio,
elas, lindas, lá em cima, brilhando
e eles, felizes, aqui em baixo, cantando,
faziam toda aquela harmoniosa poesia
nas nossas noites aconchegantes de verão.
Nada restou daquele envolvente encanto,
depois que ela se foi sem deixar vestígios.
As nossas pegadas na praia
levadas pelas insistentes marolas
que continuam a acariciar a areia,
as estrelinhas que ainda brilham lá no céu
e os insetinhos cantando, em coro, aqui no chão.
Todos Insensíveis, apesar das lembranças

que provocam, alimentando a saudade
que insiste em ficar machucando o meu coração.